A luta pelo clima é uma luta de classes

John Peterson
Youth-Climate-Strike-SF-e1567279089462.jpg

Editorial do número 17 da Revista Revolução Socialista, originalmente publicado aqui em 31 de agosto. O clima já está em revolta. Agora cabe aos trabalhadores e juventude do mundo se levante para derrubar todo o sistema.

Em 2 de agosto, a Groenlândia perdeu 12,5 bilhões de toneladas de gelo para o derretimento- a maior perda em um dia da história. Como o oceanógrafo da NASA Josh Willis explicou ao New York Times:

Há gelo suficiente na Groenlândia para elevar o nível do mar em 7,5 metros, um enorme volume de gelo e isso seria devastador para as costas de todo o planeta. Já deveríamos estar nos afastando da costa se tomarmos em conta os muitos metros [perdidos] nos próximos cem ou duzentos anos.

Em muitas partes do mundo, isso não é mais um ponto de vista, mas uma realidade. A capital da Indonésia, Jacarta, uma metrópole costeira de 10 milhões de habitantes, é uma das cidades que afundam mais rápido na Terra. Grandes seções podem ser totalmente submersas no mar de Java até 2050. O perigo é tão iminente que o presidente da Indonésia, Joko Widodo, anunciou planos de construir uma nova capital na ilha de Bornéu. E no Vietnã, estima-se que, dentro de cinquenta anos, até 12 milhões de pessoas possam ser deslocadas por inundações no Delta do Mekong.

Ice-Melt.jpg

Em muitas partes do mundo, os efeitos da mudança climática não são mais uma perspectiva, mas uma realidade.                                                                        Imagem: NASA/JPL-Caltech

O Acordo de Paris da ONU, adotado em dezembro de 2015, visa manter o aquecimento global abaixo de 2 ° C e, se possível, a 1,5 ° C acima dos níveis anteriores de 1850–1900. Mas mesmo esses níveis significarão devastação incalculável ao meio ambiente. Mesmo um aumento de 1,5 ° C levará à destruição de 70% a 90% dos corais de construção de recifes em todo o mundo. E 2 ° C significa a morte de 99% dos recifes tropicais. Como 25% de toda a vida marinha dependente de corais, a reação em cadeia faria muito mais do que arruinar sua próxima aventura de mergulho.

Além disso, as mudanças climáticas não serão lineares. Não significa um "aquecimento" uniforme de 2 ° C em todo o mundo. Flutuações imprevisíveis do quente para o frio, do molhado para o seco, torturarão o planeta e seus habitantes. Cidades como Madri, que atualmente tem uma média de 28 ° C, podem ver a temperatura média subir mais perto de 36 ° C. O deserto do Saara se expandirá para o norte e o clima da Inglaterra será como o de Barcelona de hoje.

A infraestrutura que construímos ao longo dos séculos será incapaz de lidar com a rapidez dessas mudanças. Vastas populações sem ar condicionado ou aquecimento central vão assar ou congelar, literalmente, até a morte. As terras agrícolas e de pesca serão arruinadas, conforme as inundações e as secas transformarem a paisagem. Vinícolas surgirão na Escócia, enquanto regiões como Bordeaux e Borgonha ficarão estéreis. A Floresta Amazônica continuará encolhendo à medida que pecuaristas e conglomerados de soja incendeiam os “pulmões do planeta” para limpar mais terras para a agricultura industrial. E milhões serão deslocados nas migrações forçadas mais massivas da história da humanidade.

O clima da Terra mudou muito antes que os humanos acelerassem o processo e continuará a mudar muito tempo depois que desaparecermos de sua face. A verdadeira questão, portanto, é se podemos ou não prolongar a estadia de nossa espécie até o próximo século.

Investimento colossal necessário

Certamente, os líderes do mundo se reunirão para evitar esse pesadelo distópico? O Acordo de Paris não deveria resolver tudo isso?

Com uma crise econômica iminente e a política turbulenta em todos os lugares, a última coisa que os "líderes" do mundo estão prestes a fazer é "se unir" para resolver as mudanças climáticas. O obsceno não comparecimento de Trump às discussões do G7 sobre o tema foi uma expressão clara dessa realidade. É todo capitalista para si próprio nesta época de crise e instabilidade.

Scott Denning, que estuda o aquecimento da atmosfera na Universidade Estadual do Colorado, explicou:

Solucionar o problema em 2030, 2040 ou 2050 requer uma nova infraestrutura global de energia, que é discutivelmente mais simples e barato que as mudanças anteriores de tecnologia, como encanamento domiciliar, eletricidade em áreas rurais, automóveis e ruas pavimentadas, telecomunicações, computadores, telefones móveis ou a internet.

Todas essas mudanças do passado custaram dezenas de trilhões de dólares, corrigida a inflação. Todas elas foram enormemente disruptivas. Todas elas levaram uma década ou mais, mudaram completamente o contexto industrial, econômico e social, e criaram estouros de crescimento, produtividade e trabalhos. E discutivelmente, todas elas mudaram as vidas de numerosas pessoas para melhor.

Em termos relativos, uma transformação tão formidável pode muito bem ser "mais fácil e menos cara" do que as atualizações anteriores dos andaimes de infraestrutura da humanidade. Mas ainda exigirá trilhões de dólares. Quem detém esses trilhões não está disposto a derramá-los no que eles veem como um ralo sem lucro. Além disso, essas tecnologias foram desenvolvidas apenas porque eram rentáveis e desfrutavam de enormes subsídios estatais.

Como exemplo, não devemos esquecer que os elementos críticos do Acordo de Paris não são vinculantes e, como resultado, uma farsa inexequível. As reduções de carbono dependem de uma adesão voluntária pelos signatários do pacto. Mas a única coisa em que os capitalistas voluntariamente se comprometem é obter lucros.

China-Paris-Agreement-Climate-e1567291360230.jpg

Não nos esqueçamos que os elementos críticos do Acordo de Paris não são vinculativos e, como resultado, uma farsa inexequível / Imagem: Casa Branca Oficial  Photo por Pete Souza

O número de patentes registradas para tecnologias de mitigação das mudanças climáticas é outro exemplo. Entre 2005 e 2012, essas patentes mais que dobraram. No entanto, de acordo com a Agência Internacional de Energia e a OCDE, os novos pedidos de patentes de captura e armazenamento de carbono e de energia limpa caíram 44% e 29%, respectivamente, de seus picos - em um momento em que as patentes globais geralmente estão em expansão. Stephan Ouaknine, presidente do fundo global de investimentos em tecnologia limpa Inerjys, ofereceu esta análise: "É um enorme problema para o clima. No momento, as novas tecnologias climáticas estão presas a uma armadilha da “bancariedade”: ninguém as comprará até que sejam comprovadas comercialmente, mas elas não serão comprovadas até que sejam usadas comercialmente ".

Toda a humanidade está, de fato, presa em uma armadilha de "bancariedade". Ser visto como "verde" pode ser bom para as relações públicas corporativas atualmente, mas o único verde com o qual os grandes negócios realmente se importam é o todo-poderoso dólar.

Além disso, os capitalistas são incapazes de coordenar seus esforços globalmente, pois a existência contínua do Estado-nação e da economia de mercado os coloca em uma competição de vida ou morte entre si.

Somente a classe trabalhadora internacional pode enfrentar a crise climática e acabar com as fronteiras, as classes e o Estado de uma vez por todas.

A NASA foi formada para garantir a supremacia do imperialismo dos EUA sobre a União Soviética no espaço. Era necessário um investimento maciço do Estado porque o setor privado não podia competir com a economia planejada da URSS, que alcançou milagres apesar da burocracia parasita stalinista. Em 1966, no auge do boom do pós-guerra, mais de 4% do orçamento federal dos EUA foi para a NASA. Hoje, dada a crise generalizada do capitalismo e o impulso incansável para privatizar tudo, ela recebe menos da metade de um por cento.

Reequipar todo o planeta exigirá muito mais investimento e esforço coordenado do que o pouso na lua. Trabalhadores comuns instintivamente entendem isso. Um estudo recente do Pew Research Center descobriu que a maioria dos americanos acha que a principal prioridade da NASA deveria ser monitorar partes importantes do sistema climático da Terra, em vez de enviar alguém para Marte.

O clima é um sistema mundial: furacões, ciclones e incêndios florestais não respeitam fronteiras. Como Josh Willis, o oceanógrafo da NASA, afirmou: “A Groenlândia tem impactos em todo o planeta. Um bilhão de toneladas de gelo perdido aqui eleva o nível do mar na Austrália, no sudeste da Ásia, nos Estados Unidos, na Europa. Estamos todos conectados pelo mesmo oceano.”

O Green New Deal da AOC procura colocar esta questão na agenda nacional. Bernie Sanders fez da mudança climática uma peça central de sua campanha presidencial, dizendo: “[temos] menos de 11 anos para transformar nosso sistema energético de combustíveis fósseis em eficiência energética e energia sustentável, se quisermos deixar este planeta saudável e habitável."

No que diz respeito a essas propostas, nós as apoiamos, pelo menos em sua motivação. Mas o problema é que eles não vão muito longe. Sua falha fatal é que se restringem aos limites capitalistas e dependem da boa vontade dos próprios capitalistas em "fazer a coisa certa". Apelar para os "melhores anjos" dos ricos nunca funcionou. Nenhuma classe dominante desistiu voluntariamente de sua riqueza, privilégios e poder - embora os liberais e reformistas se recusem a aceitar esse fato. Os recursos coletivos de países inteiros e, finalmente, todo o planeta serão necessários para facilitar a transição - algo que o capitalismo não pode oferecer.

Green-New-Deal-e1567293297768.jpg

A falha fatal do Novo Acordo Verde e propostas similares é que eles se restringem aos limites do capitalismo e dependem da boa vontade dos capitalistas para ''fazer a coisa certa.'' / Imagem: 350.org via Flickr

Marxistas e o meio ambiente

É claro que, para praticamente todos os que vivem hoje, "a vida como a conhecemos" sempre significou vida sob o capitalismo. Mas o sistema nem sempre reinou supremo e não nos governará para sempre. A propriedade privada dos meios de produção não é a “ordem natural das coisas”. Na realidade, o capitalismo só dominou o planeta por algumas centenas de anos, no máximo. Foram os humanos que criaram o capitalismo - não conscientemente, é verdade -, mas nós o construímos. E podemos e iremos substituí-lo por algo melhor.

Algumas pessoas afirmam que os marxistas “ignoram” questões ambientais. Vamos deixar Friedrich Engels falar por si. Em seu destacado ensaio, O papel do trabalho na transformação do macaco em homem, fez as seguintes observações:

No entanto, não nos lisonjeamos demais por causa de nossas vitórias humanas sobre a natureza. Para cada uma dessas vitórias, a natureza se vinga de nós. É verdade que cada vitória traz, em primeiro lugar, os resultados esperados, mas, em segundo e terceiro lugar, produz efeitos imprevisíveis e bastante diferentes, que muitas vezes cancelam o primeiro.

As pessoas que, na Mesopotâmia, na Grécia, na Ásia Menor e em outros lugares, destruíram as florestas para obter terras cultiváveis, nunca sonharam que, removendo junto com as florestas os centros coletores e reservatórios de umidade, eles estivessem lançando as bases para o atual estado desolador daqueles países.

Quando os italianos dos Alpes esgotaram as florestas de pinheiros nas encostas do sul, tão cuidadosamente estimadas nas encostas do norte, eles não tinham ideia de que, ao fazê-lo, estavam cortando as raízes da indústria de laticínios em sua região; eles ainda tinham menos suspeita de que estavam privando as fontes das montanhas de água durante a maior parte do ano e possibilitando que elas derramassem ainda mais furiosas torrentes nas planícies durante as estações chuvosas.

Aqueles que espalharam a batata na Europa não estavam cientes de que, com esses tubérculos farináceos, estavam ao mesmo tempo espalhando escrófula.

Assim, a cada passo, somos lembrados de que de modo algum dominamos a natureza como um conquistador sobre um povo estrangeiro, como alguém que está fora da natureza - mas que nós, com carne, sangue e cérebro, pertencemos à natureza e existimos em seu meio, e que todo o nosso domínio dela consiste no fato de termos vantagem sobre todas as outras criaturas por poder aprender suas leis e aplicá-las corretamente.

O exposto acima mostra claramente que os fundadores do socialismo científico estavam profundamente conscientes do equilíbrio precário e das conexões contraditórias entre os seres humanos e o meio ambiente. De fato, toda a visão de mundo econômica e histórica de Marx e Engels tem como premissa a análise dessa dinâmica dialética. Se eles não passavam muito tempo prevendo o caos ambiental que o capitalismo desencadearia, era porque eles esperavam que uma revolução socialista mundial transformasse o planeta enquanto vivos. Mas o capitalismo mostrou-se mais resistente do que o previsto.

O que faltava em uma oportunidade revolucionária após outra no século passado era liderança. Não apenas qualquer liderança, mas uma enraizada na teoria marxista, preparada com antecedência e disposta a superar todos os obstáculos e transcender os limites das relações de propriedade capitalistas. Somente os bolcheviques na Rússia reuniram todos os fios objetivos e subjetivos necessários. No entanto, devido precisamente à falta de uma liderança marxista revolucionária em outros lugares, a revolução não se espalhou. O capitalismo recebeu outra concessão da vida - mesmo que sua data de validade tenha passado. Cada dia a partir daí tem vindo com um custo humano e ambiental incalculável.

A luta climática é luta de classes: a luta pelo socialismo em nossa vida

Dan Coats, diretor de inteligência nacional, alertou recentemente na “Avaliação Mundial de Ameaças”, que “a degradação ambiental e ecológica global, bem como as mudanças climáticas, provavelmente estimularão a competição por recursos, dificuldades econômicas e descontentamento social até 2019 e além."

Em outras palavras, a mudança climática e o desafio de sobreviver a ela já é um fator central na luta de classes. A luta de classes, em essência, é a luta entre e dentro das classes exploradoras e exploradas pelos recursos naturais e pela riqueza socialmente produzida. Quando não há o suficiente para todos, as pessoas brigam pelo que está disponível.

Climate-Strike-Rally-Demonstration-e1567293885875.jpg

A mudança climática e os desafios de sobreviver a ela já são um fator central na luta de classes ao redor do mundo. Imagem: DAVID HOLT via Flickr

O capitalismo é baseado em riqueza extravagante para poucos e escassez artificial para muitos. A crise climática está apenas exacerbando as desigualdades inerentes ao sistema. Os ricos imaginam tolamente que sobreviverão em luxo em seus condomínios fechados, enquanto os pobres serão deixados morrer de fome e se afogar - mas as massas não estão prestes a desistir sem lutar.

Segundo algumas estimativas, temos pouco mais de uma década para lidar com as emissões de carbono antes que um ponto irreversível seja atingido. Portanto, é necessário um senso de urgência - mas não um sentimento de pânico. Existe uma solução, e a humanidade tem o poder de fazer isso acontecer.

Nunca alcançaremos o domínio total da natureza - o universo infinito é vasto demais para essa arrogância. Mas podemos ter uma visão melhor do que estamos tendo hoje, quando se trata de aproveitar o poder do planeta em nossos interesses coletivos.

Um plano racional de produção, distribuição e troca, em harmonia com o meio ambiente, é o único caminho a seguir para nossa espécie. Somente uma economia planejada pode mobilizar os recursos necessários para mitigar os efeitos das mudanças climáticas. Mas você não pode planejar o que não controla. A única maneira de afirmar o controle sobre os meios de produção é através da propriedade. Como os capitalistas são donos particulares das principais alavancas da economia, tomam todas as decisões reais que afetam o clima. Essa transferência de propriedade de uma classe para outra só pode ocorrer por meios revolucionários.

Uma pesquisa recente da Gallup descobriu que 58% dos americanos entre 18 e 34 anos acham que o socialismo é "bom para o país". A verdadeira "maioria silenciosa" dos americanos é a favor de políticas socialistas, sejam elas rotuladas de "socialistas" ou não. A maioria dos trabalhadores acredita que o acesso a empregos de qualidade, saúde, educação, moradia, nutrição e lazer são direitos, não privilégios. Mas somos silenciados por nossa falta de representação política e organizacional. Nos próximos anos, através dos esforços coletivos de milhões, conseguiremos construir um poderoso partido socialista dos trabalhadores e sindicatos poderosos que rejeitam a conciliação de classe.

Os jovens já estão em movimento para mudar a sociedade - e os jovens são o futuro.

Dos EUA à Grã-Bretanha, da Itália à Dinamarca e além, a crise climática levou milhões de jovens a agir. O apelo apaixonado e urgente de Greta Thunberg impressionou. Enquanto o establishment quer cooptá-la para a impotência liberal-reformista, os jovens já foram além de seu controle direto. Eles não permitirão que aqueles responsáveis pela bagunça lhes digam como corrigi-la.

As inspiradoras greves mundiais de estudantes de 15 de março mostraram o que era possível. Em 20 de setembro, o movimento alcançará um nível ainda mais alto [Alcançou, de fato, mais de 4 milhões de jovens foram às ruas]. A revolução socialista é a tarefa estratégica central da época. O clima já está revolto. Agora cabe aos trabalhadores e jovens do mundo se levantar para derrubar todo o sistema.

Tradução: Fernando Santos da Silva

Publicado originalmente aqui com o título: ''USA: climate change is a class struggle'' no dia 31/08/2019

Data post